No fundo do mar, em um lindo recife de corais coloridos morava um polvo diferente e por ali muito conhecido, ele não tinha feito para isso, apenas tinha nascido. E diferente dos outros polvos, que são carecas, ele tinha nascido com cabelo. E por onde ele passava sempre o zombavam:



- Lá vem o Polvo cabeludo, que esquisito!
- Que Polvo estranho, como ele é diferente!
- Olhem só, o Polvo cara de gente!






A Tartaruga amiga do Polvo, não gostava de ver seu amigo ficar triste e sempre lhe dava dicas para ajudá-lo disfarçar sua cabeleira.

- Meu amigo, coloque esse chapéu mexicano, experimente essa touca, que tal esse turbante?!
 

Mas de nada adiantava, ao invés de esconder o cabelo do Polvo, acabava chamando ainda mais atenção. O Polvo cansado de tudo isso, não sabia mais o que fazer. Então a Tartaruga teve uma ideia que ela nunca tinha pensado antes:

- Já sei Polvo, tive uma ideia que vai acabar com todos os problemas, vamos cortar todo o seu cabelo e assim você ficará igual a todos os outros polvos.

O Polvo estava tão triste de ser zombado que sem pensar direito aceitou e a tartaruga começou a cortar o seu cabelo. Enquanto se ele olhava pelo espelho e via seu cabelo sendo cortado, sentiu uma tristeza muito grande, maior até do que de ser zombado.




- Pare de cortar, pare agora minha amiga, isso está errado. Perdi quase todo meu cabelo pra saber que gosto dele. Agora eu sei, não há problema em ser diferente. Só não gosto que riem de mim.



- Então o que vamos fazer?  Perguntou a tartaruga aflita.

Tive uma ideia! Vou te contar – Disse o polvo e começou a explicar.

Com tudo acertado e combinado a tartaruga saiu pelo recife com um convite de um festival misterioso e entregou a todos.

Todos os animais ficaram curiosos e ao anoitecer apareceram no festival misterioso e ficaram surpresos ao verem o Polvo quase sem cabelo. O Polvo agradeceu a presença de todos e pediu um momento de atenção e começou a recitar em forma de poesia o que vinha do seu coração


Eu sou Polvo cabeludo
E isso é diferente
Ao invés de ser careca
 Dizem que pareço gente
Mas não se engane
Meu coração é igual ao teu que sente

Eu sou o Polvo Cabeludo
Escutem meu apelo:
Não sou só um cabelo!
E agora te pergunto:
Você é igual a todo mundo?

Faço aqui mais um pedido;
Venham se sentir como eu sinto.
Sejam bem vindos ao meu Festival
Assim finalmente irão perceber
Que ser diferente é tão normal


Não havia ninguém naquela festa que não chorou de alegria, ouvindo o desabafo do Polvo em forma de poesia. O festival foi maior sucesso que virou uma linda tradição. E todos aprenderam a linda lição: Não há no mundo ninguém igual a ninguém, todos nós somos únicos e por isso somos tão especiais.
O Festival das Perucas






Deixe um comentário