Henrique voltou da escola aquela manhã com os olhos brilhando e um grande sorriso no rosto. Um sentimento que só os colecionadores entendem: em suas mãos estava a tão esperada nova edição da revista de miniaturas de super-heróis colecionáveis. Eles eram simples, mas para Henrique era um item de valor inestimável, mais que isso: era o último super-herói da sua coleção. Tagarela que era a cada passo par que dava era uma pergunta, a cada passo ímpar uma exclamação:

   Passo ímpar: "Mãe, é o último super-herói da minha coleção!”.
   Passo par: "O que mais posso colecionar?”. 
   Passo ímpar: "Posso colecionar dinossauros, ou bolitas!”.
   Passo par: "O que acha de colecionar gibis?”.
   

Pobre da mãezinha do Henrique, mal conseguia responder a tantas perguntas. Henrique era mesmo muito curioso. E assim que chegou em casa correu para seu quarto para abrir sua revistinha. Pulou na cama e foi logo abrindo a caixinha. Mas o que encontrou o fez cair de costas, não podia acreditar, por incrível que parece nunca tinha acontecido, o super-herói veio repetido.

- Ah não! E agora o que vou fazer?! - Resmungou frustrado.
- O que houve Henrique? - Sua mãe entrou no quarto e percebeu a frustração de seu filho.
- Hoje seria o dia que finalizaria minha coleção, mas veio um super-herói repetido! - Disse Henrique chateado.

Ela sorriu serenamente, sentou ao lado de Henrique e continuou:
- Meu filho, isso é normal. Semana que vem seu super-herói chega à banca e você poderá finalizar sua coleção.
- Mas e agora, o que farei com o esse super-herói repetido? Perguntou Henrique.
- Filho, tudo o que sobra em algum lugar, falta em outro. O que pra você está repetido, pra alguém pode estar faltando. - Confortou sua sábia mãe.

O menino olhou para o super-herói repetido em sua mão e refletiu por um instante.
Ele estava chateado porque o super-herói repetido, não completava sua coleção, mas pensou bem e viu que tem criança que não brinquedo algum. E com um estalo, algo tocou seu puro coração. Ele deu um pulo:

- É isso! Eu posso ajudar doando a quem não tem nenhum brinquedo!

Sua mãe sorriu e o abraçou. Henrique, entusiasmado, continuou:

- Quero doar não só o super-herói repetido, mas outros brinquedos que já não uso mais. Assim, o que está sobrando pra mim, vai completar o que está faltando para alguém!

E assim, Henrique com a ajuda de sua mãe selecionou seus brinquedos, deixou todos limpinhos e novinhos e os doou. E ficou muito surpreso e feliz ao ver a alegria de seus novos colegas ao receberem seus brinquedos. Seu super-herói repetido estava entre eles, tornando-se agora o primeiro super-herói de seu novo dono. 

Henrique percebeu que, muito melhor que completar uma coleção, é completar e preencher com muito amor o coração do próximo!





Clique aqui para faça o download da história do Henrique, é grátis :)


Deixe um comentário